segunda-feira, 29 de julho de 2013

Pilates para gordinhos??? Sim!!!!


Ola pessoas!

No tópico de hoje, vamos abordar um pouco um assunto sobre: pessoas que estão acima do peso, podem praticar o Pilates?

É cada vez mais comum, em Studios de Pilates, encontrarmos pessoas que estão acima do peso, fazendo parte da aula, pelo simples motivo, de só ter 3 alunos por hora, ter diversidade de aparelhos e acessórios, e um fisioterapeuta, com avaliação em mãos, proporcionando uma aula individualizada para cada um. 

É importante você profissional entender, que existe dois tipos de depósitos de gorduras:
subcutânea abdominal e tecido adiposo visceral. O primeiro diz respeito às pessoas que tem a gordura acumulada na pele, formando aquelas dobras grossas e o segundo são aquelas pessoas com o abdome inflado por dentro, a pele e musculatura abdominal tracionadas pelos órgão internos gordos, semelhante ao biotipo que apresenta a mulher que está gestando.

Vamos entender o seguinte, em ambos os casos, estamos fazendo referencia ao tecido adiposo, isto é, estudos recentes, nos mostram que se trata de um complexo reservatório energético regulado por nervos, hormônios, nutrientes,  e mecanismos autócrinos e parácrinos. Além disso, sabe-se que o tecido adiposo é considerado um importante órgão endócrino com funções reguladoras no balanço energético e outras funções neuroendócrinas, incluindo produção e secreção de muitos peptídeos e proteínas bio ativas.
Cada adipócito produz uma pequena quantidade dessas substâncias, porém, como o tecido adiposo é o maior órgão do corpo, o total produzido acaba tendo grande repercussão nas funções corporais. (PRADO et al, 2009)
As principais substâncias originadas dessas células são os já conhecidos ácidos graxos, o colesterol, retinol, hormônios estereoidais, e alguns mediadores químicos envolvidos em processos inflamatórios.
Adipocina é a proteína secretada pelo Tecido Adiposo Branco (TAB) e outros tecidos, podendo ser ou não uma citocina (proteína de baixo peso molecular com diversas funções metabólicas e endócrinas que participam da inflamação e resposta do sistema imune, além de serem sensores do balanço energético) que influencia não só a função adipocitária, mas, como é liberada em níveis séricos, afeta muitas vias metabólicas. Sendo assim, eles estão relacionados, direta ou indiretamente, em processos que contribuem na aterosclerose, hipertensão arterial, resistência insulínica e diabetes tipo 2, dislipidemias, ou seja, representam o elo entre adiposidade, síndrome metabólica e doenças cardiovasculares. Na obesidade, os depósitos de gordura corporal estão aumentados, apresentando conseqüente elevação na expressão e secreção das adipocinas, proporcionalmente ao maior volume das células adiposas.
Entendido sobre esses dois tipos de depósitos de gorduras, vamos entender em relação às aulas de Pilates, quais modificações importantes ocorrerão envolvendo esse assunto:
No aluno com gordura subcutânea, sua sensação de movimento fica modificada em relação à propriocepção articular, que se depara com uma limitação de ADM (amplitude de movimento) imposta pela própria gordura (é uma sensação semelhante como a quando estamos cobertos de grossos casacos que nos impedem de dobrar como poderíamos sem esse entrave). A  sensação aferante dada através das descargas de peso, no sacro, trocânter, escápulas e ísquios, também fica alterada, devido ao fato dos seus pontos de apoio se encontrarem "acolchoados", retirando assim, a nitidez destas sensações, o que dificulta a importante clareza da posição inicial.
Temos assim, como fisioterapeutas, que aguçar nosso olhar e estimular no aluno a busca de suas sensações diante de seu corpo como está. E não desistir de torna-lo aluno da sua aula de Pilates. As dificuldades existem, porem, com a dedicação do aluno, e o empenho do Fisioterapeuta, o resultado vai existir, mesmo que seja a médio-longo prazo.
Vale encontrar sempre posições confortáveis e, na medida do possível, propor aulas dinâmicas e fluidas que contribuam para a conscientização corporal e organização intrínsecas no método, com o aumento do gasto calórico.

Em relação ao aluno com sobrepeso relacionado a gordura visceral, além do que  foi citado, é importante lembrar que sua musculatura abdominal está tracionada. Oblíquos e transverso tracionam suas aponeuroses que se encontram na linha alba, estimulando a diástase e, conseqüentemente, possíveis hérnias na linha média do abdome.
Estas hérnias se formam quando há saída de tecido
adiposo, ou de parte do peritôneo, através de um orifício enfraquecido na zona do tecido

conjuntivo, que se estende desde o tórax até à púbis e aonde se inserem os músculos retos do abdômen, a denominada linha alba.

Desta forma quando vamos lidar com esse tipo de aluno os cuidados devem ser maiores. Nesse caso a limitação de movimento diz mais respeito à mobilidade do tronco (coluna, caixa torácica) que se encontra sobre grande pressão interna. É importante sempre colocar o aluno em posições confortáveis (pode ser incômodo deitar em decúbito ventral por exemplo para extensões) e evitar trabalho abdominal intenso.


Minha sugestão é que a musculatura abdominal deve atuar, basicamente, em sua função estabilizadora e de conexão. A aposta maior deve ser no reto abdominal (que tem sua colocação vertical e não traciona fáscias) garantindo a relação eficiente entre costelas e bacia, evitando a anteversão da pelve.

O trabalho de mobilidade da coluna deve ser suave, com foco na musculatura profunda (por exemplo rotadores da coluna profundos e não rotadores do tronco – oblíquos). Cada vez que for realizado um movimento grande de rotação ou flexão estará havendo um grande tracionamento das fáscias e, consequentemente, da linha

alba.

De maneira geral vale mais apenas apostar nos exercícios de dissociação de MMII e MMSS com estabilização da coluna para, mais uma vez, estimular, além da organização, algum gasto calórico. Costumo dizer que o Pilates emagrece mais pela mudança que os alunos experimentam na relação com seu corpo do que no gasto calórico propriamente dito....

É isso aí pessoas!!








Enviar para o Twitter

quarta-feira, 24 de julho de 2013

PGFysio apresenta: Primeiro Diário de Bordo

Ola Pessoas!!!

Orgulhosamente apresento, nosso primeiro vídeo "Diário de Bordo PGFysio".
Espero que curtam, e que os incentive a praticar Pilates! :)

Vamos ao vídeo!

video



Enviar para o Twitter

quarta-feira, 10 de julho de 2013

Pilates X Gravidez = Bom Resultado!


Ola pessoas!

Estava passeando pelos blogs, e me deparei com um post super legal! Um relato de uma grávida, sobre o quanto gosta de fazer Pilates, principalmente nessa fase da gravidez.

Aqui vai um trechinho:

"Bom meninas, há mais de 5 anos que pratico o pilates. Sempre gostei muuuuito e adoro a minha professora Luciana Sanchez, daqui de Araçatuba. Eu sempre soube que quando ficasse grávida, ia morrer de preguiça de fazer academia, mas com o pilates ficaria firme e forte. Para o bem do meu corpo e do meu alongamento, estou realizando isso, duas vezes na semana. Acho que o pilates é perfeito para melhorar a nossa respiração, o tônus muscular, a força do "cinturão" e, muitas vezes, aliviar a nossa mente. Além de saber que é uma técnica muito bem vinda para as grávidas, o meu médico super me indicou (nunca façam nada sem falar com o seu médico, ok?) e me liberou até o finalzinho da gravidez. Espero que eu consiga, quem sabe, fazer até um dia antes do parto? rsss"

"ARCH ON THE BALL"
Indicação: fortalecimento e alongamento do abdome.

Legal né?! Se quiserem continuar lendo o relato dela, cliquem na fotinho acima! ;)

Vamos entender um pouco essa relação da Gravidez X Pilates.
Durante o período de gestação, o corpo vai mudando rapidamente, e essas mudanças causam muito desconforto, fazendo com que a mulher sinta dores e apresente uma má postura.
 Nessa fase os exercícios podem ser de grande ajuda, amenizando as dores e melhorando a postura. Mas para isso, primeiramente a gestante deve procurar orientação médica, e caso não haja contra-indicação médica, ela poderá iniciar o exercício após completar o terceiro mês de gestação indo praticamente até o final do sétimo mês.
 O Pilates durante a gravidez proporciona muitos benefícios tais como: Fortalecimento e alongamento da musculatura do abdome, também dos glúteos e da parte inferior das costas, que é parte do corpo responsável pela sustentação da coluna vertebral, além de diminuir a sensação de desconforto muito comum entre as grávidas, diminui também o inchaço das pernas e as dores nas costas.
Como os músculos do abdome estarão mais fortes isso facilitara o nascimento do bebê, isto é, o útero irá se contrair para expulsar o bebê, e automaticamente neste momento como um ato reflexo, a mulher fara a pressão abdominal que é empurrar o bebê pelo canal da vagina. Nesta hora nota-se os benefícios de Pilates  pois um abdome forte facilita e muito esse trabalho. Outra vantagem para quem pratica o Pilates, é que após o nascimento do bebê, se a musculatura estiver bem preparada, a recuperação será mais rápida.
 Durante a pratica do Pilates, sem dúvidas a prioridade é que os movimentos sejam executados corretamente, sendo que a grávida deve estar acompanhada por um fisioterapeuta qualificado para que possibilite e garanta uma postura adequada da grávida. Nestes casos o principal objetivo é fazer poucas repetições de movimentos e com uma carga leve para que não venha a causar problemas durante a gravidez. 
É isso! ;)






Enviar para o Twitter